CK-MB (MMB)
 
A isoenzima MB da creatina quinase (CKMB) encontra-se principalmente no tecido cardíaco, apresentando concentrações substancialmente inferiores no músculo esquelético. A quantificação da CKMB é efetuada como rotina no estudo da enzimologia cardíaca e é útil no diagnóstico do infarto agudo do miocárdio (IAM). Tipicamente, em casos de IAM não complicados, as determinações em série mostram um padrão no qual os níveis de CKMB se elevam num período de 4 a 8 horas após o início da dor, atingem um pico num período de 12 a 24 horas e, em seguida, caem para níveis normais após 48 horas.
 
A CKMB massa é o marcador bioquímico de escolha para o infarto do miocárdio peri-operatório durante as primeiras 48 horas após o início da dor. As concentrações de CKMB também têm sido utilizadas para avaliar a extensão do IAM e a ocorrência de um novo infarto.
 
A sensibilidade, especificidade e eficiência diagnóstica da CKMB massa é superior à das isoenzimas da CK na eletroforese.
 
Vantagens:
- Marcador mais específico para a detecção de lesões do miocárdio do que CK-Total;
- Dosagens seriadas aumentam a sensibilidade para o diagnóstico de IAM;
- As concentrações de CK-MB começam a se elevar 4 horas após o início da dor precordial;
- Picos são atingidos em torno de 24 horas, retornando ao normal em 48h.
 
Desvantagem:
- Presente no tecido muscular cardíaco e esquelético.
 
Métodos de dosagem:
- Atividade enzimática: Teste clássico, onde a quantidade de enzima é medida através do consumo de substratos. Ou seja, trata-se de um teste indireto, sujeito a interferências durante a reação;
- Massa (imunológico): São utilizados anticorpos monoclonais, que medem a massa de enzima existente na amostra.
 
Porque CK-MB Massa é mais confiável do que CK-MB Atividade:
- Possuem melhor sensibilidade analítica;
- Testes de CK-MB massa detectam cataliticamente enzimas ativas e inativas, assegurando aumento da sensibilidade;
- Melhor sensibilidade diagnóstica;
- Testes de massa detectam lesões no miocárdio 1-2 horas antes do que os testes de atividade;
- Menos resultados falso-positivos;
- Possuem pouca ou nenhuma interferência com macro-moléculas (CK-MB > CK-T) e hemólise.
 
CARACTERÍSTICAS LABORATORIAIS (Dimension RxL):
 
Coleta de Amostras:
- Procedimentos normais para coleta e armazenamento;
- Soro ou plasma;
- Armazenamento à temperatura ambiente por 12 horas, a 4 ºC por 3 dias e a –20 ºC por um mês;
- Para Plasma: EDTA, heparina de lítio e heparina sódica;
- Para Soro: o coágulo deverá estar completamente formado antes da centrifugação;
- As amostras de plasma congeladas com quantidade insuficiente de anticoagulantes podem provocar agregação das partículas de cromo na reação, não devendo ser utilizadas.
Obs.: Se o TC for aumentado (terapia trombolítica ou anticoagulante), o uso de amostras de plasma é aconselhável.
 
Intervalo de Medição Analítica: 0 – 100 ng/mL.
 
Intervalo de Referência: 0 - 3,6 ng/mL [mg/L]
 
CRITÉRIO DE DIAGNÓSTICO (associado com CK Total) – uso do Índice Relativo (IR)*:
 

MMB ng/mL [mg/L]

Índice Relativo (IR)*

Não IAM
<= 5
ND
Zona cinzenta
> 5
£ 4
IAM
> 5
> 4
* IR = (CKMB/CK x 100)
O índice relativo é usado para diferenciar lesão tecidual em músculo esquelético de lesão em músculo cardíaco.
- CK-MB/CK-T > 4% = lesão no miocárdio;
- CK-MB/CK-T < 4% = lesão no músculo esquelético.
 
 
Saiba mais:
 
 
< Voltar
Página inicial
X Fechar